sexta-feira, 16 de abril de 2010

Egoísmo

E quando finalmente a ultima estrela morrer estarei cega neste mundo, apenas mais um corpo nulo nas entranhas da terra, sem passado nem história, uma indigente aos olhos divinos os quais guardam tanta fé em uma obra falha, sou apenas, fui apenas mas não serei quem sonhei em ser, algo que anulasse minha sombra que guardasse minha rubra essência, meus puídos sonhos e frágeis lesões de destreza, algo único mesmo a tais olhos que planejaram toda a criação, toda vida e morte dentro de nosso conceito de mundo, quero brincar de Deus, ser a tentação de Lúcifer, quero causar a ruína, quero ser arcanjo, quero pregar minhas crenças, quero vender meus sonhos e lhe colocar em meus pesadelos, quero ser o tudo dentro de um nada, quero poder ver o desespero e o amor verdadeiro, quero um ser constituído de heterônimos, quero voar e afundar nos males de Hades, quero viver minha eternidade em um dia, quero em mim todos os sonhos do mundo, quero ser Fernando Pessoa, Chico Buarque e Carlos Drummond, quero meu singular dentro de cada plural, que teus olhos sejam minha janela.

Quero morrer dentro de cada vida que viver dentro de minha existência.

Julia Capassi

4 comentários:

Mari disse...

Amo esse, Julia! Amo mesmo!

"Quero morrer dentro de cada vida que viver dentro de minha existência." Quero muito!

Flammes disse...

miii *_*

Beatriz disse...

miii *____*²

vicente disse...

Menina cheia de luz que consegue tocar os meus sentidos através dos seus textos...
lindo lindo lindo.

Postar um comentário